EQUIPE

 Isabél Zuaa - Atriz convidada


Atriz e Performer portuguesa, tem as suas origens na Guiné-Bissau e em Angola. O seu primeiro contato artístico surge no grupo de dança africana, Prata Luar, onde permaneceu até a adolescência. As suas principais formações foram feitas no Chapitô em interpretação teatral, na Escola Superior de Teatro e Cinema- curso de teatro lisboa-Portugal e na UniRio em Artes cénicas Rio de Janeiro-Brasil.
Desde de 2010 transita entre projetos de Dança, Cinema, Teatro e Televisão no Brasil e em Portugal. Pesquisa novas dramaturgias, onde a mulher negra é protagonista e anfitriã das suas próprias histórias desmistificando estereótipos e pré-conceitos.
No Cinema e Televisão trabalhou com Prisci la Guedes, Marcelo Gomes; Yasmin Thayná, Felipe Bragança entre outros. Foi premiada com o prémio de melhor atriz coadjuvante no fest aruanda 2017 no longa  “Nó do Diabo” de Ramon Porto Motta e prémio de Melhor Atriz no Festival de Sitges  2017 pelo Filme “As boas Maneiras” de Marco Dutra e Juliana Rojas.
No Teatro e Dança trabalhou com Gustavo Ciríaco, Jorge Andrade, Tiago Vieira, Tino Segal, Denise Stutz, Felipe Ribeiro entre outros.
As suas performances recentes são: Bisneta di N’gumbé; Corpo que é Corpo, Corpo que é Voz co-direcão com Tais de amorim; Carolina, Mas Maria com dramaturgia de Nina Silva; Nha Fala,  Ne-Grita.

Cinema
2017 – Aquilo que Sobra de Humberto Giancristofaro  Sra. Chauchat
2017- Nó do Diabo de Ramon Porto Motta
2017– Joaquim de Marcelo Gomes
2017 - As Boas Maneiras de Marco Dutra e Juliana Rojas
2017 – Passo a Dois de Jorge Itapuã Beiramar
2016 – Negra Sou um Documentário de Ana Beatriz Sacramento
2015 -  Filme Contado de Thiago Gallego
2015 –  Alegoria da Terra de Marco Carvalho e Eduardo Carvalho
2015 – Kbela de Yasmin Thayná
2014 – A Pedra que Samba de Camila Agustini
2013 - Putain D’amour  O amor é foda de Prisci la Guedes Maria
2013 - Between the street and the hill, a garden de Bárbara Marcel
2012 – Por Favor Não toques na minha Afro de Patrícia Couveiro
2011 - Mupepy Munatim de Pedro Peralta Maria
2010 – Casa das Canoas de Tamar Guimarães

Televisão
2017 -Trapos e conversas Frivolas de Teresa Paixão e Daniel Gorjão
2017 – Sob Pressão – Andrucha Waddington e Mini Kertidade
2017 -o Som e o Tempo - Saudade de Rafael Urban e Larissa Figueiredo
2017 - Rarefeito de Marçal do Carmo e André Fernando  


Solange Souza Lima Moraes - Produção geral

Formada em Cinema pela Universidade Federal da Bahia – UFBa, Solange já produziu mais de 15 curtas; Produtora do filme “Estranhos” de Paulo Alcântara; primeiro longa pela sua empresa Araçá Filmes.
É Produtora assina a coprodução dos filmes “Capitães da Areia” de Cecília Amado (baseado no romance de Jorge Amado), “Jardim das Folhas Sagradas” de Pola Ribeiro e “Brilhante” de Conceição Senna.
Nesse momento encontra-se em fase de captação para as séries Conquistadoras, Um sonho um Real e Contador de Histórias. Dos Longas Longe do Paraíso de Orlando Senna e Beto e o Cão da Lua de José Araripe.
Trabalhos em desenvolvimento:
Do Longa Metragem “A PELE MORTA” roteiro de Daniel Tavares e Direção Geraldo Moraes, vencedor do PRODAV 5, desenvolvimento de projeto, e vencedor do PRODIECINE 5 – INOVAÇÃO DE LINGUAGEM para produção.
Captando para a série para TV “Um Sonho Um Real” e “O Contador de Histórias”, roteiros de Carla Guimarães;  “Amor e Preconceito”, de Geraldo Moraes; e “ As Conquistadoras”, Roteiro de Tulani Nascimento, Vanessa Cansado, Carla Guimarães e Ana Alkimim.
Também em fase de captação, dos longas: “Beto e o Cão da Lua” de José Araripe Jr  e “Longe do Paraíso” de Orlando Senna. 
A produtora agora passa também a ser distribuidora numa linha especifica: “Cinema Educação”.
Daniela Braga - Direção geral

Atualmente é Diretora da TV Globo, aonde dirige a  série "Cidade Proibida".
Foi Diretora Geral da série “Toc’s de Dalila” para o Multishow. Durante as cinco temporadas de “Tapas e Beijos”, foi uma das diretoras do programa. Começou na Globo como assistente de direção no programa “Mulher”. Foi também assistente no programa “A Grande Família”, onde se tornou Diretora e ficou por mais cinco anos, totalizando nove anos. No cinema trabalhou como primeira assistente de direção nos longa metragens: “Deus é Brasileiro” de Cacá Diegues; “Madame Satã” de Karim Ainouz; “A Partilha” de Daniel Filho; “Bossa Nova” de Bruno Barreto, “Menino Maluquinho 2” de Fernando Meirelles. Foi ainda assistente de direção em outros filmes (“Central do Brasil” – elenco , “ Orfeu”, “Tieta”) e comerciais diversos.
Clarissa Rebouças - Direção de cena

Clarissa Rebouças é graduada em Comunicação Social – Cinema e Vídeo pela Faculdade de Tecnologia e Ciências em Salvador, Bahia. Especializada em Roteiro pela Escuela Internacional de Cine y TV, em Cuba (2009) e pela UNIJORGE, Salvador-Bahia, em 2010.
Desde 2006 dirige curtas metragens de ficção e documentário e até hoje já foram mais de 10 dirigidos e escritos por ela. Em destaque, Desvelo, curta lançado em 2012, apoiado por edital do Ministério da Cultura, que foi exibido em mais de 30 festivais, eventos e mostras nacionais e internacionais, ganhando 7 prêmios em diversas categorias.
Clarissa ministra oficinas de roteiro e de produção audiovisual desde 2009 em pontos de cultura, festivais, mostras e cursos livres de formação, nos quais aprimora o modo de ensinar roteiro e estabelece trocas com outros roteiristas. Em 2016 ministrou sua primeira oficina internacional em Léon, México. No teatro, escreveu a peça “Pavio Curto” em parceria com Denisson Palumbo. Em 2012, aprovou em Edital de Demanda Espontânea do Estado da Bahia o desenvolvimento do seu primeiro roteiro de longa metragem “Cine Ruby”. Em 2014 foi convidada para trabalhar na equipe de roteiristas de “Santo Forte”, a primeira série brasileira produzida para o canal AXN em parceria com a Sony, na produtora Moonshot em São Paulo. A partir do ano de 2013 começou a participar de laboratórios internacionais de criação de curtas metragens onde pôde estabelecer trocas com artistas de todas as partes do mundo, recebendo formação em oficinas de roteiro no Chile e no Canadá. Por dois anos consecutivos, 2015 e 2016, formou parte da curadoria do FECIBA – Festival de Cinema Baiano, acompanhando a produção de curtas metragens do estado da Bahia nos dois anos últimos anos. Em 2016 escreveu alguns episódios da série infantil "Meu irmão nerd" junto com a autora Dulce Ferrero, lançado em 2017. Atualmente, Clarissa desenvolve no Quebec, Canadá um documentário em parceria com o Centre des Femmes para promover a integração entre mulheres imigrantes e quebequenses e também busca financiamento para realizar o seu primeiro longa metragem intitulado “Cine Ruby”.
Denise Moraes – Direção de Cena

Doutorada em COMUNICAÇÃO SOCIAL – LINHA IMAGEM E SOM – Cinema de ficção contemporâneo e modos de habitar transitórios pela Universidade de Brasília – DF – 2015. Fez Mestrado em COMUNICAÇÃO SOCIAL – LINHA IMAGEM E SOM – Imagens do cotidiano no cinema brasileiro: olhar sobre a casa pela Universidade de Brasília – DF – 2005.

Denise é também graduada em: 
LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL
Université Paris VIII – FRANÇA e LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS Université Paris VIII – FRANÇA. No Brasil graduou-se em ARQUITETURA E URBANISMO pela Universidade de Brasília.

Dirigiu os filmes:
• Documentário de média metragem TUDO NOSSO, NADA DELES – DF – 2016 (em fase de finalização)
• Curta metragem MEMÓRIA DE ELEFANTE – DF – 2010

Com o filme, Memória de Elefante, recebeu os prêmios de "Melhor curta metragem" pela escolha do público 4º Cine Fest Brasil-Canudos - 2011. E PRÊMIO ABCV de MELHOR DIREÇÃO DE ARTE no 6o Encontro Nacional de Cinema e Vídeo dos Sertões. Com o curta "Um pingado e um pão com manteiga" foi contemplada com o PRÊMIO DA CRÍTICA de MELHOR ROTEIRO na Mostra da Associação Brasiliense de Cinema e Vídeo – DF – 2004.

Denise também foi Produtora Executiva dos Curtas Metragens "Censurado", de Pedro Buson; "Nuovo Cine Drive-In", de Victor Nunes; "Constância", de Tainá Pontes; "Fim de Sessão", de Nathália Mendes, "Vida Pregressa", de Ilana Lara; "O guia do jovem cineasta", de Douglas Rochedo (2017). 

Como Roteirista escreveu, "Memória de Elefante" (2010); "Filme triste" (2004); "Um pingado e um pão com manteiga" (2003); "Programa piloto Intelecto, no mundo das invenções" (1998)

Foi Assistente de Direção do longa Metragem: NO CORAÇÃO DOS DEUSES, de Geraldo Moraes (1997)
E dos curtas-metragens: O JARDINEIRO DO TEMPO, de Mauro Giuintini (1998),
TEPÊ, de José Eduardo Belmonte (1998), BOM DIA SENHORAS, de Érika Bauer (1998), ATHOS, de Sérgio Moriconne (1998), LÉO 1313, de Betse de Paula (1997).



Lillah Halla - Direção de Cena

Lillah se especializou em Direção e Roteiro na Escuela Internacional de Cine de San Antonio de los Baños-Cuba, seguido de um programa de pesquisa em dramaturgia na Concordia University – Canadá. 

Integrante-fundadora do Coletivo Vermelha, Lillah vive e trabalha entre Berlim e São Paulo como diretora-roteirista. Desenvolve atualmente o longa-metragem Livramento, contemplado pelo IBERMEDIA, participante do laboratório BRLAB, com mentoria pelo Tribeca Film Institute. Também é autora e diretora de um projeto sonoro em desenvolvimento para a Fundació Miró, em Barcelona.

Entre seus curtas-metragens está o premiado SI NO SE PUDE BAILAR, ESTA NO ES MI REVOLUCIÓN (Cuba 2014, premiado como Melhor Filme para Reflexão no Festival Janela do Cinema de Recife, Melhor Filme Experimental no Festival des Filmes du Monde de Montreal e Melhor Direção na Semana dos Realizadores no Rio), e alguns documentários realizados para o Canal Futura (Entes da Floresta, Histórias de Água).

Foi editora da série CAUSANDO NA RUA (2106), dirigida por Tata Amaral, do longa-metragem TRAVESSIA (2015), dirigido por João Gabriel, premiado como Melhor montagem no festival de  10FestAruanda, do filme A Minor History of Trembling Matters (2017), dirigido por Tamar Guimarães e Kasper Akhoj, do documentário NO MAN IS AN ISLAND e DIE GOTTER MUSSEN KLEMPNER SEIN (ambos em finalização).
Dandara Ferreira - Direção de Cena

Formada em cinema, trabalhou como assistente de direção por muito tempo. Como diretora e produtora realizou alguns curta-metragens e videoclipes de diversos artistas (Vanessa da Mata, Fagner, Dream Team do Passinho, entre outros). Dirigiu e escreveu uma série documental sobre Gal Costa  para HBO e atualmente está em pre-produção para o filme de ficção sobre a vida da Gal.

Ana Victoria Perez - Produção executiva

Bebé Perez é uma das produtoras da Besafilms com base em Valência - Espanha. Em menos de um ano de actividade, sua empresa, a Besafilms, garantiu o apoio do Instituto Valenciano de Cinematografia (IVAC - CulturArts) para seus próximos projetos como um produtora independente: O Fruto da Paixão , uma webserie disponível em  www.frutodelapasion.es, trabalhou no desenvolvimento do filme Úlltimos dias em Havana e produziu e dirigiu o documentário sobre a Guerra Fria na Espanha, Good Bye Mr. Marshall. 
Wilssa Esser - Direção de fotografia

Em 2013 recebeu o título de direção de fotografia do curso regular da Escola Internacional de cinema e TV – Cuba (EICTV) onde realizou vários curtas-metragens como “Bello Bello, Bello” (Festival Cinema du Reel 2014), "Si no se puede bailar, esta no es mi revoluciòn (Festival Biarritz 2014),“Fiodor en el Fiodo”, “Espejo Negro”, “Tenazas”.
Participou da residência em cinematografia no Maine Media College, EUA. obteve a licenciatura em comunicação Social com habilitação em audiovisual na UCAB, Caracas - Venezuela e paralelamente realizou estudos de fotografia analógica e uma especialização em fotografia para documentário na Escola de Fotografia Roberto Mata em Venezuela, país de nascimento.
Desde 2014 reside no Brasil fotografando curtas-metragens e séries para tv's brasileiras.
Ana Luiza Penna - Técnica de som

Graduada em Imagem e Som, fez o som dos Longas Ficção, Travessia de João Gabriel, Tropykaos de Daniel Lisboa. Documentários, Waldick, Sempre no Meu Coração Direção Patricia Pilar, Documentário Vila Madalena de Pedro Barbosa, Documentário Vamos La PA Lapa de Leonardo Carvalho e A Noite Escura da Alma de Henrique Dantas.


Andrea May - Identidade visual

Andrea May, brasileira-espanhola, é artista visual e sonora, curadora independente e mestranda em Processos Criativos em Artes Visuais – PPGAV/UFBA. 
Conectada a várias linguagens vem desenvolvendo conceitos de múltiplas expressões, na sua maioria fundamentada na colaboração coletiva e na investigação dos processos criativos da arte. 
Assinando também como May aka Happy Downlady (HD), desenvolve pesquisa estéticas e técnicas a exemplo de infogravuras, ilustrações, projeções e instalações.
Graduou-se em 1988 no curso de Artes Plásticas pela Universidade Federal da Bahia seguindo para a Alemanha onde estudou como bolsista multiplicador do Goethe-Institut. 
Participou de várias exposições, salões e projetos de relevância destacando-se na Street Art por realizações colaborativas de âmbito nacional, a exemplo da ação nacional ATTACK + (2003).
Em 2005 foi uma das pioneiras da Art Toy no Brasil, expondo individualmente ou em mostras coletivas por vários estados.
Residiu por 1 ano no Canadá (2009), expôs em Montréal e seguiu em pesquisas até Toronto. De volta ao Brasil, criou os projetos: Atelier Coletivo VISIO., COLLAB e NOISE INVADE. Neles, dedica-se nas especificidades estratégicas para a produção e difusão do “fazer artístico” seja ele analógico ou digital, laboratorial ou expositivo, memorial ou efêmero, tendo sempre como fio condutor a criação livre. Traz ainda em seu currículo a sonoridade eletrônica/ experimental com a banda "tara_code" (1997/2006) e o duo "luvebox FX" (2008/2016). 
Atualmente residindo em Salvador-Bahia-Brasil, dedica-se ao seu projeto solo "iPodrido"; à video performance (vjing) e parcerias com Junix 11 no AMNIX Studio Art.